A DOUTRINA DA IGREJA

www.prnatanaelsp.com.br
Nas Escrituras a doutrina da Igreja se reveste de tanta importância quanto as demais nela tratadas.

O Estudo e conseqüente compreensão desta doutrina levará o cristão a conclusão de que, em valor, a Igreja se sobrepõe aos grandes organismos e organizações existentes no mundo hoje.

A vocação e missão da Igreja têm alcance imensurável. Suas origens se ocultam na eternidade passada, enquanto que sua missão no presente do próprio inferno.

Há, pois grande recompensa no estudo e compreensão deste doutrina.

Definição do Termo “Igreja”:  Os dicionários mais comuns dão dois significados ao termo “Ekklesia”:

1) Ajustamento popular
2) Igreja

Os dicionários do Novo Testamento seguem a mesma divisão, subdividindo mais uma vez o significado do termo Novo Testamento:

1) Igreja, como comunidade universal.
2) Congregação, como comunidade local ou particular, bem como comunidade domestica.

Noutras palavras, “ekklesia”, traduzida por “Igreja” se deriva de “Ekkaleo”, verbo que significa “chamar à parte”, por isto denota uma assembléia citada ou chama à parte, um corpo escolhido e separado duma grande massa de gente.

O Fundamento da Igreja

A origem divina da Igreja é patenteada pela sua origem histórica, bem como pela sua expansão e confirmação. Não é possível se pensar na Igreja separadamente de Cristo, em se pensar em Cristo separadamente da Igreja.

Apesar disto a teologia vaticano-romanista atribui ao apostolo Pedro, mérito de pedra fundamental sobre o qual a Igreja de Cristo está edifica. Buscando achar fundamentos escriturísticos para tão absurdo ensino, os teólogos católicos-romanos, apelam para as seguintes palavras do Salvador:

E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho e Deus vivo. E Jesus, respondendo, disse-lhe: Bem-aventurado é tu, Simão Barjonas, porque to não revelou a carne e o sangue, mais meu Pai que está nos céus. Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela; e eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra será ligado no céu, e tudo o que desligares na terra será desligado no céu” (Mt. 16:16-19).

Dessa passagem, a Igreja Romana deriva o seguinte raciocínio, concluído com a seguinte interpretação:

1) Pedro é a rocha sobre a qual a Igreja está edificada.

2) A Pedro foi dado o poder das chaves, portanto, só ele e seus sucessores (os papas) poderão abrir a porta do reino dos céus.

3) Pedro tornou-se o primeiro bispo de Roma.

4) Toda autoridade eclesiástica foi conferida a Pedro, até nossos dias, através da linhagem de bispos e de papas, todos vigários de Cristo.

Pedro foi uma pedra, mas não a pedra firme e inabalável sobre a qual foi fundada “a universal assembléia e Igreja dos primogênitos que estão escritos nos céus” (Hb. 12:23), e sim uma pedra como são os demais salvos e remidos pelo sangue de Jesus (I Pe. 2:4).

Os membros da Igreja:

Uma igreja é uma congregação de crentes em Jesus Cristo, batizados depois duma confissão de fé, e voluntariamente ligados sob a aliança especial para a manutenção do culto, verdades, ordenanças, e disciplina do evangelho.

O Ministério da Igreja na Sociedade:
Ser aqui um lugar de habitação de Deus - “Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra de esquina; no qual todo o edifício, bem ajustado para morada de Deus em Espírito” (Ef. 2:20-22), “Não sabeis vós que sois o templo de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós” (I Co. 3:16).

Testemunhar da Verdade - “Para que se eu tardar, fiques cientes de como se deve proceder na casa de Deus, que é a Igreja do Deus vivo, coluna e baluarte da verdade” (I Tm. 3:15).

Dar Eterna Glória a Deus - “Ora, aquele que é poderoso para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos, ou pensamos, conforme o seu poder que nós opera, a ele seja a glória, na Igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações todo sempre. Amém” (Ef. 3:20-21).

Edificar a seus membros - “E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres, com vista ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo, até que todos cheguemos a unidade da fé e ao pleno conhecimento do filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo” (Ef. 4:11-13).

Evangelizar o mundo - “Jesus, aproximando-se lhes falou dizendo: Toda autoridade me foi dada no céu e na terra. Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até a consumação dos séculos” (Mt. 28:18-20).

Sustentar uma norma digna de conduta - “Vós sois o sal da terra; e se o sal insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta senão para se lançar fora, e ser pisado pelos homens. Vós sois a luz do mundo: não se pode esconder uma cidade edifica sobre um monte; nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa. Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus” (Mt. 5:13-16).

Cultivar a comunhão entre seus membros - “Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vos uns outros vos ameis. Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros”. “Mas, se andares na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo pecado” (Jo. 13:34-34; I Jo. 1:7).

Adoração na Igreja:
A Igreja é conhecida basicamente como uma comunidade adoradora. Como “povo de Deus”, a Igreja leva consigo associações da sua redenção e do seu destino. Ela foi chamada por Deus para ser propriedade e herança exclusivamente dele.

O Apostolo Paulo diz que “assim como [Deus] nos escolheu nele [no Senhor Jesus Cristo] antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor nos predestinou para ele, para adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade... predestinados... a fim de sermos para louvor da sua gloria... em quem também vós ... tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa” (Ef. 1:4,5,11-13).

Oração e Louvor:

Dois tipos de oração são conhecidas no ensino e no exemplo da Igreja no Novo Testamento. Há a oração particular no lugar secreto da comunhão pessoal entre o crente e o Senhor, bem como a oração congregacional, feita conjuntamente por todos os crentes reunidos no lugar de culto.

Deste modo a Bíblia fala de pessoas que oraram de forma individual, como de pessoas que oraram coletiva ou congregacionalmente.

Através da oração, o louvor a Deus encontra a sua mais elevada expressão.

Se oração é petição, rogo e intercessão, o louvor se constitui na mais refinada forma de adoração a Deus – veiculo através do qual o crente expressa o seu reconhecimento pelos grandes benefícios recebidos de Deus.

Ministração da Palavra de Deus:
O principal elemento da adoração praticada na sinagoga judaica era a leitura e a exposição da Lei. A Lei era lida primeiramente no hebraico original, e depois em paráfrase aramaicas, chamadas Targuns, seguindo-se , por sua vez, pregação.

Este era o centro de gravidade no culto na sinagoga, havendo bênçãos e orações dispostas em derredor.

A leitura e exposição da Palavra de Deus alcançou o seu apogeu no ministério terreno de Jesus, bem como no ministério de seus apóstolos, especialmente do apostolo Paulo que, escreveu a Timóteo, disse: “Devota tua atenção à leitura e exposição pública das Escrituras” (I Tm. 4:23).

A Igreja em cujo culto nota-se a ausência da atitude de amor e de respeito pela Palavra de Deus, toda e qualquer outra coisa, porventura, aí existente, por grande que seja a dedicação com que é feita, é abominável ao Espírito Santo e ultrajante a honra do Senhor Jesus Cristo.

Culto sem compromisso com a fiel exposição das Escrituras, não é culto na verdadeira acepção da palavra pelo contrario, é confusão. Portanto, que os ministros de Cristo, pastores e mestres, deixem que o povo de Deus seja abençoado com a interpretação e exposição fiel das Escrituras.

POSTAGEM MAIS ACESSADAS:

O OBREIRO E A ÉTICA NO PULPITO

O TABERNÁCULO E SUAS MEDIDAS:

EXISTEM 4 TIPOS DE TEMPERAMENTOS! VOCÊ CONHECE SEU TEMPERAMENTO?

AGEU - O PROFETA DA CONSTRUÇÃO DO TEMPLO

PASSOS DA FÉ - Marcos 11:22 - 24