CASAMENTO E AMOR NO COTIDIANO


Segundo especialista, o amor se alimenta de detalhes cotidianos 

A chave das chaves

Convêm ler o que vou expor à luz deste princípio básico: o casamento deve ser cultivado! Como? Com paciência, atenção e cuidados de um bom jardineiro. Como as plantas: estarão vivas se crescem! Não é possível conservá-las por muito tempo em um congelador. Como tudo o que é vivo, o amor ou cresce ou morre ou, no melhor dos casos, fica a ponto de mumificar-se. 

“Conservar” o amor, simplesmente conservá-lo, é uma tarefa vã... equivale a decretar a sua morte: ao vivo não se admite “conservação”; é preciso alimentá-lo para que atinja progressivamente todas as suas possibilidades.

Antes que se acabe

Balzac escreveu: “O casamento deve lutar sem trégua contra um monstro que a tudo devora: o costume”. O seu inimigo mais insidioso é a rotina: perder o desejo da criatividade original; pois assim o amor acaba por esfriar e perecer. Às vezes, trata-se de um processo lento, quase imperceptível no início, e cujas conseqüências só são percebidas quando a degradação é dada como irreparável, ainda que não o seja na realidade: como a planta que se deixou de regar e que durante certo tempo mantêm o seu viço, para logo em seguida, sem motivo imediato aparente, murchar de vez.

 Soluções

Cada noite, devem responder com um sim sincero às seguintes perguntas: hoje dediquei diretamente um tempo, uns segundos ao menos, para ver como poderia fazer uma surpresa ou causar uma alegria concreta? 

O carinho não se alimenta com a simples inércia ou com o correr dos anos: tem se ser alimentado com muitos pequenos gestos e atenções, com um sorriso e também com um pouco – ou com muito!- de inteligência: evitando o que se intui ou se sabe por experiência que desagrada o outro, ainda que seja em si mesmo uma bobagem e buscar, por outro lado, o que pode agradar. 

Como lembra um autor norte-americano: “os casamentos felizes estão baseados em uma profunda amizade. Os cônjuges se conhecem intimamente, conhecem os gostos, a personalidade, as esperanças e sonhos do outro. Mostram grande consideração um pelo outro e expressam o seu amor não só com grandes gestos, mas com pequenos detalhes cotidianos” 

Entretanto, nada se alcança sem esforço. De acordo com a perspicaz comparação de Masson, “o amor (sentimental) é uma harpa que sonha espontaneamente; o casamento, um piano que não soa senão a força de pedalar”... e o resultado deste pedalar é uma felicidade indescritível, que ninguém é capaz de imaginar... até que a prove. 



FONTE DE INFORMAÇÃO:

Escritor: Tomas Melendo Granados

POSTAGEM MAIS ACESSADAS:

O OBREIRO E A ÉTICA NO PULPITO

O TABERNÁCULO E SUAS MEDIDAS:

EXISTEM 4 TIPOS DE TEMPERAMENTOS! VOCÊ CONHECE SEU TEMPERAMENTO?

PASSOS DA FÉ - Marcos 11:22 - 24

AGEU - O PROFETA DA CONSTRUÇÃO DO TEMPLO

O CRENTE E O USO DA GRAVATA E O PALETÓ!

ÉTICA DO OBREIRO E O RELACIONAMENTO ENTRE SEUS COLEGAS

ETIQUETA E AS BOAS MANEIRAS NO CULTO

ESTATUTO DO CONSELHO DE PASTORES E LÍDERES EVANGÉLICOS DE VARGEM GRANDE PAULISTA - COPLEV